Guia da Semana

Sétimo: suspense com Ricardo Darín não convence

Longa argentino conta história de um pai que perde os filhos dentro do prédio onde moram

Certos suspenses deixam o espectador de unhas grudadas na poltrona, temendo pelo protagonista e aguardando com ansiedade aquela revelação surpreendente perto do final. Outros, como o argentino “Sétimo”, de Patxi Amezcua, perdem o interesse do público nos primeiros quinze minutos.

O filme, com Ricardo Darín, começa bem. Sem enrolar, mostra em poucos segundos quem é seu protagonista: um advogado, daqueles que costumam defender criminosos de alto escalão, que nem assinou o divórcio e já paquera a secretária e que tem desavenças com vários de seus vizinhos de prédio.

Sebastián (Darín) tem seus defeitos e dá valor demais ao trabalho, mas é um pai presente e responsável. Este é seu dia de levar as crianças à escola e, como sempre faz, deixa os filhos descerem correndo pela escadaria enquanto ele pega o elevador, apostando para ver quem chega primeiro no térreo. Desta vez, porém, Sebastián chega sozinho.

As crianças desaparecem silenciosamente e ninguém no prédio sabe de nada. O que seria um mistério instigante ganha contornos absurdos quando o pai começa a agir, colocando-se no papel de um justiceiro que invade casas e ameaça pessoas, sem obter nada útil além de promessas de inocência.

A reação do protagonista poderia ser coerente com o desespero de um pai, mas o que a câmera tenta passar não é a imagem de um homem destruído, mas sim a de um herói – uma espécie de Nicolas Cage ou Liam Neeson de Buenos Aires, sem os tiroteios e sem um supervilão mafioso por trás dos sequestros. Sebastián tem os contatos e a aparente imunidade de um agente secreto, mas não tem nem de longe o know how para não se fazer de bobo.

A essa altura, o público já percebeu quem é o sequestrador e sente pena da ingenuidade daquele homem. O que também incomoda é a passividade da polícia, que não organiza nenhum tipo de interrogatório nem parece pensar em vistoriar o prédio. Essa escolha pode ser proposital – eles estariam envolvidos no crime, coisa que não é muito bem explorada na tela – como pode ser apenas outra forma de elevar o herói, colocando-o sozinho na missão.

Se o roteiro não consegue provocar a dúvida ou o interesse, tampouco são convincentes os coadjuvantes, que oscilam entre o excesso e a ausência total de emoções. O público nunca fica sabendo de suas motivações mais profundas e não se identifica com ninguém, achando pouco provável que as coisas de fato pudessem acontecer daquela forma.

“Sétimo” teve a sorte de contar com um nome tão forte quanto Ricardo Darín para a divulgação no mercado internacional, mas seu suspense não faz jus a outras pérolas argentinas do gênero, como “O Segredo dos Seus Olhos”. O filme tem apelo para funcionar na televisão, mas sua passagem pelos cinemas deverá ser curta. 

Atualizado em 14 Nov 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual