Alimentação pós parto: sem pressa para voltar à boa forma

Para ajudar no emagrecimento pós parto, confira alguns passos a seguir para voltar perder os quilos remanescentes da gravidez

Última publicação: 30/06/2014

  • Após o parto, o ideal é ter calma para perder os quilos a mais adquiridos durante a gestação

    Após o parto, o ideal é ter calma para perder os quilos a mais adquiridos durante a gestação
    Créditos: Divulgação

Depois da chegada do bebê muitas mães se perguntam quando desfilarão novamente com todas aquelas peças de roupas usadas nove meses antes. Para quem seguiu a recomendação dos médicos e ganhou até 12 kg, o caminho para o guarda-roupa antigo certamente é mais fácil, pois só no parto já vão 6 kg embora. Depois de 40 dias, na primeira consulta, é comum ver mães com 10 kg a menos. Mas isso não significa que quem deu uma derrapada na alimentação durante a gravidez precisa entrar em desespero, apostando em dietas malucas e na rotina de atleta – atitudes que só tendem a prejudicar mãe e filho.

Depois da amamentação, a dieta pode ficar um pouco mais magra, mas ainda assim é importante manter os mesmos nutrientes para que o corpo não adoeça. Ainda não dá para fazer uma dieta rigorosa antes dos 3 meses após o desmame. Seja compreensiva com o seu organismo e lembre-se de que ele sofreu grandes transformações durante a gestação. Não espere recuperar as curvas em menos de seis meses – mesmo porque, internamente, seu organismo vai levar cerca de um ano para voltar ao que era antes. Mas, com paciência e determinação, é possível reconquistar o corpo esbelto sem arriscar a saúde.

Amamente

Amamentar a cada três horas leva a um gasto médio de 500 calorias ao dia, equivalente a aproximadamente duas horas de caminhada na esteira. Por causa desse “exercício”, espera-se que em seis meses de lactação exclusiva o ponteiro da balança aponte uma queda de 0,5kg a 1kg por mês. E tem mais: a amamentação faz com que a barriga perca aquele aspecto de gravidez que permanece mesmo após o parto. Isso acontece porque ao amamentar há a liberação de oxitocina, um hormônio que, entre outras importantes tarefas, ajuda o útero a voltar ao tamanho normal. 

Hidratação

Para dar um gás na produção de leite e desfrutar dos benefícios da amamentação é fundamental se hidratar muito bem, o ideal é garantir a ingestão de pelo menos três litros de líquidos por dia – como água, sucos, chás e água de coco. Só não vale investir no refrigerante, mesmo que seja da linha “zero”.

Alimentação equilibrada

Para não prejudicar o bebê, o melhor é não abusar de alimentos gordurosos e industrializados. Sendo assim, que tal aproveitar o momento para seguir uma alimentação mais saudável?

Uma das preocupações das mamães é o consumo de alimentos que podem gerar cólicas no bebê. Durante a amamentação, devem ser evitados chocolate, bebidas alcoólicas e a cafeína. Já o leite e seus derivados não devem ser consumidos durante os primeiros três meses após o parto. O leite contém uma proteína de difícil digestão tanto para os adultos quanto para os bebês pequenos. Como esta proteína vai parar no leite materno, ela chega no intestino do bebê, que sofre para digeri-la.

Ficar longe de refrigerantes e fast-food em prol da dieta parece difícil, mas fazer esse esforço para que o bebê não tenha cólicas ou alergias é muito mais estimulante.

 

Respeite seu corpo

Quem passou por uma cesárea deve esperar pelo menos 40 dias para dar início às atividades físicas. Já aquelas que tiveram parto normal podem voltar à ativa quando se sentirem à vontade. Ainda que haja essa diferença em relação ao tempo de recuperação, nos dois casos é preciso pegar leve, pois há riscos de lesões.

No período pós-natal, a mulher apresenta redução na estabilidade das articulações, além de seios maiores e mais pesados. Isso significa que o corpo está bem mais vulnerável, por isso exige exercícios leves e, de preferência, com acompanhamento do profissional capacitado.

Voltando à malhação

Por estar mais sensível, o corpo não deve ser submetido logo de cara a aulas pesadas, mas isso não significa que é para ficar parada! Um bom programa de atividades no pós-parto inclui cuidados com a postura, alongamento, relaxamento, fortalecimento e exercícios para os músculos respiratórios da região do períneo. Antes de colocar a legging e calçar os tênis, uma dica: se possível, busque a orientação de pessoas especializadas em exercícios na gestação e no pós-parto. Quando o profissional conhece a fisiologia da mulher e todas as mudanças que ocorrem no período gestacional, pode oferecer um programa de atividades baseado em diversos critérios de segurança. 

Atividades completas

Duas modalidades altamente recomendadas são Pilates e Treinamento Funcional, pois os movimentos realizados ajudam a prevenir e amenizar a dor lombar que incomoda muitas mulheres nessa fase, além de contribuir para a boa forma. As duas atividades trabalham a força e o alongamento dos músculos da coluna e, ao mesmo tempo, a força dos músculos abdominais, perdida por causa da extensão que ocorre com o crescimento da barriga e do bebê.

Tratamentos aliados

Liberadas no pós-parto, a drenagem linfática e a massagem redutora podem ajudar na recuperação da boa forma, já que a primeira ajuda a diminuir o inchaço e a segunda combate as “gordurinhas” localizadas. Para uma aplicação segura, busque profissionais especializados no pós-parto.

Veja mais dicas sobre como perder peso e se manter em forma no Emagrecendo.

 

Mariana Jota redator(a)

Comentários

Destaques do guia