Guia da Semana
Cinema
Por Jussi Maria

Adeus, Primeiro Amor – Crítica

Filme foge do óbvio ao falar de um relacionamento entre adolescentes com doses de solidão e melancolia.

Camille e Sullivan vivem um forte laço em Adeus, Primeiro Amor (Divulgação)

Sensibilidade é a palavra de ordem no filme Adeus, Primeiro Amor (estreia prevista para 16 de dezembro). Visível e explorada nos traços da personagem Camille, a característica também é quesito indispensável ao espectador. Sem isso, é possível que o amor intenso que arrebata a adolescente seja visto como uma paixão possessiva, melancólica e inconsequente.

A protagonista, interpretada pela jovem atriz Lola Créton, vive um amor correspondido por Sullivan (Sebastian Urzendowsky). Os adolescentes, de 15 e 19 anos, respectivamente, promovem de forma natural muitas cenas de carinho, cumplicidade e escancaram a maturidade do relacionamento ao deixar claro que o casal vai muito além dos abraços e beijinhos.

A diretora francesa Mia Hansen-Love acerta ao desenrolar o romance longe dos clichês. Os jovens se gostam e isso está claro, mas suas decisões pessoais (principalmente as de Sullivan) tendem a acabar com o romance e isso não é esquecido em prol do “final feliz”.

O garoto decide fazer uma viagem pela América do Sul e a expedição que duraria dez meses se estende por anos, o que deixa a apaixonada Camille à beira da apatia total em relação ao mundo. A personagem parece simplesmente passar pelos acontecimentos seguintes à partida de Sullivan; a mesma fisionomia sem demonstração de grande interesse por nada a acompanha na escola, em casa e na sucessão dos dias até a faculdade.

Aliás, sobre a América do Sul poucas referências são feitas. Além de algumas cartas enviadas no início da viagem, só têm destaque um mapa, pelo qual Camille tenta acompanhar os passos do amado, e algumas músicas em espanhol. A trilha sonora que traz “Volver a los 17” e “Gracias a la Vida”, por sua vez, injeta poesia (e dinamismo) a uma sequência de cenas que retratam a solidão da garota; sem o áudio só resta a monotonia.

Já adulta (embora, fisicamente, a menina não tenha mudado em nada), Camille se engaja no curso de arquitetura e ocupa sua mente com os trabalhos, as viagens com a turma e – enfim - um novo amor: seu professor Lorenz (Magne Havard Brekke).

Camille vive bem com o namorado até que Sullivan ressurge, ou melhor, ela o faz voltar à tona. O garoto retornou há tempos para a cidade natal, mas nunca procurou a garota. É ela quem tem de dar o primeiro passo para o reencontro. Fica claro em toda a trama que as maiores investidas e entregas sempre partem dela... Camille não sabe dar adeus ao seu primeiro amor.


Por Jussi Maria

Atualizado em 10 Abr 2012.

Mais notícias

Saiba como assistir ao Oscar 2021 na TV e Internet

Cinema

Divulgados trailer e pôster inéditos do filme "Cruella"; confira!

Cinema

Resenha: 'En las estrellas'

Cinema

Confira a lista dos indicados ao Oscar 2021

Cinema

Oscar 2021: saiba onde assistir aos filmes indicados

Cinema

10 mostras de cinema online para conferir em março de 2021

Cinema