Guia da Semana

Inquietos e apaixonados

Gus Van Sant volta a trabalhar com a temática jovem em filme romântico e alto astral

Quando as luzes do cinema foram acesas, além de estar com os olhos cheios de lágrimas, estava com aquela sensação de "que filme gostoso de assistir" ao final de Inquietos, a nova produção de Gus Van Sant. Parece que o diretor norte-americano está se tornando um especialista na temática jovem. Desde Drugstore Cowboy (1989) e Garotos de Programa (1991) até os mais recentes Elefant (2003) e Paranoid Park (2007), o cineasta leva os dramas da juventude às telonas.

Em Restless (título original), não é diferente. Dois jovens apaixonados, com problemas pessoais aproveitam ao máximo o tempo que podem ficar juntos, já que este tempo pode ser bem curto. No entanto, a história consegue atingir a todos os públicos, sem transformar o filme numa historinha adolescente da Sessão da Tarde.

Além de Gus, os responsáveis por dar o tom certo às cenas, trabalhando com os olhares e gestos que dizem mais do que longos diálogos, são Mia Wasikowska, a Alice de Tim Burton, e o estreante Henry Hopper, filho de Dennis Hopper.

Henry é Enoch, um garoto no mínimo diferente. Depois de perder os pais e sair da escola, ele começou a frequentar velórios de desconhecidos. Seu único amigo é Hiroshi, o fantasma de um kamikaze da 2ª Guerra Mundial, com quem joga batalha naval todas as noites. Foi num desses velórios que conheceu Annabel, uma garota doce, de sorriso fácil e apaixonada pela vida e pela natureza.

Eles logo se apaixonam e poderiam até viver felizes para sempre, se a morte não fosse o principal elo entre os dois. Annabel tem um tumor em fase terminal no cérebro. Quando descobre, o fofo Enoch decide tornar esses últimos meses mais agradáveis. Assim, transfusões de sangue em quartos de hospitais e visitas ao cemitério se transformam em programas tão românticos quanto uma ida ao cinema ou um piquenique no parque.

Apesar do tema triste, o trio Gus, Mia e Henry consegue deixar o longa leve e alto astral, surpreendendo e fazendo o público rir em vários momentos. É um filme para adolescentes, para casais e para idosos. Afinal, uma bela história de amor à vida não tem idade para ser apreciada.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Por Mariana Viola
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres