Guia da Semana

Anticoncepcionais

Especialistas esclarecem as principais dúvidas sobre a pílula

Os contraceptivos orais são os mais prescritos pelos ginecologistas. Além de evitarem a gravidez indesejada, apresentam benefícios para a saúde da mulher, como a regulagem hormonal, a proteção contra o câncer de ovário, a diminuição da cólica mentrual, entre outros itens.

+ Descubra o que é e como se pratica o sexo tântrico
+ Conheça os mitos, verdades e curiosidades sobre o silicone

No mercado, há uma série de anticoncepcionais disponíveis porque existem diversos tipos físicos de mulheres com problemas específicos. Por isso, o médico é sempre a melhor pessoa para indicar. Frente à inúmeras dúvidas, buscamos esclarecimentos de especialistas sobre o assunto.

1) Como definir o melhor anticoncepcional para cada mulher?
Características individuais devem ser levadas em conta durante o aconselhamento dos métodos contraceptivos. São eles: idade, situação marital e desejo ou não de filhos e em qual espaço de tempo, hábitos alimentares, peso, uso de álcool e fumo, histórico de doenças tromboembólicas e ocorrências de cefaléias crônicas, além de sangramentos intermenstruais. Preferencialmente, deve-se utilizar pílulas com menores dosagens hormonais. Podem ser realizadas experiências prévias com outros preparados e, desta forma, indica-se como melhor pílula aquela que se adapta às necessidades da paciente.

2) Quais são as contra-indicações de uso do anticoncepcional?
É contra-indicado o uso em mulheres com suspeita de gravidez, sangramento uterino anormal, doenças cardiovasculares e câncer de mama declarado ou suspeito.

3) Quais são os remédios que inibem o efeito do anticoncepcional?
Alguns medicamentos diminuem o efeito da pílula. Nestes casos, se usar um deles, a paciente não deve parar de tomar a pílula e usar camisinha até o final da cartela. Exceto a eritromicina, um antibiótico específico que praticamente anula o efeito da pílula, todos os outros remédios enfraquecem, mas não anulam os efeitos.

» Antibióticos que diminuem o efeito da pílula:
Ácido clavulânico, amoxacilina, ampicilina, ciclacilina, cloranfenicol, dapsona, doxicilina, eritromicina, minocilina, oxacilina, oxitetraciclina, penicilina G e V, rifampicina, tetraciclina.

» Antiepiléticos e anticonvulsivantes que diminuem o efeito da pílula:
Carbamazepina, difenil-hidantoina, fenitoina, fenobarbital, oxcarbazepina, primidona, topiramato.

» Outros medicamentos que podem diminuir a ação das pílulas:
Griseofulvina, guanetidina, metronidazol, nelfinavir, óleo mineral, ritonavir.

4) Como é usada a pílula sem estrogênio?
Este anticoncepcional possui apenas progesterona em baixa quantidade. Ele deve ser utilizado emendando uma cartela na outra, sem os comuns dias de repouso. O medicamento serve para quem não quer menstruar, possui muita cólica ou tensão pré-menstrual (TPM).

5) A pílula sem estrogênio prejudica os recém-nascidos?
As minipílulas foram desenvolvidas com intuito de eliminar o estrogênio das preparações contraceptivas por causa dos fenômenos tromboembólicos, que são mais frequentes nas mulheres em período de pós-parto. Elas não causam a diminuição de leite e não oferecerem riscos à criança. As pílulas comuns contêm estrogênio e progesterona e são usadas por mulheres que não estejam amamentando, pois regularizam os ciclos menstruais.

6) Quando a pílula comum não faz efeito?
Nos primeiros meses, o anticoncepcional já faz o efeito desejado, ele apenas apresenta problemas caso seja utilizado de forma incorreta. O medicamento mais comum possui 21 drágeas, que devem ser tomadas diariamente, sempre no mesmo horário. Ao acabar a cartela, há uma pausa de sete dias, quando ocorre a menstruação. Uma semana depois, dá-se início a uma nova cartela. Caso a pessoa esqueça de tomar o comprimido no horário, tem um período de até 12h para fazê-lo. Se passar das 12h, o remédio deve ser ingerido juntamente com aquele programado para o dia seguinte, no horário correto.

7) Como eu faço para suspender a menstruação?
É necessário conversar com o ginecologista para que ele indique o caminho melhor. Caso tome o anticoncepcional comum e queira suspender o fluxo, emende uma cartela na outra e não menstrue naquele mês, mas é importante tomar as precauções necessárias de proteção, pois há riscos de gravidez até o ciclo seguinte.

8) É preciso trocar de anticoncepcional após um tempo?
Não é necessário. O que pode acontecer é que, depois de muitos anos tomando o mesmo remédio, o organismo da mulher mude a forma de reagir ao medicamento. Neste caso, é necessário consultar o ginecologista para saber a necessidade de trocar de pílula. O uso rotineiro do mesmo remédio pode melhorar as cólicas menstruais, atenuar as dores no período ovulatório e reduzir o número de dias de sangramento. Além disso, o uso contínuo acarreta segurança no exercício da sexualidade, fazendo com que a atividade sexual seja livre e despreocupada.

Colaboração:
Amaury Mendes Júnior
Ângelo Di Fraia Filho
Cláudio Luiz Rodrigues Emilio

Denise Coimbra

Atualizado em 30 Jun 2014.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Entenda as diferenças entre os tipos de queijo

Cottage, queijo minas e parmesão estão na lista!

13 ideias de marmita fit para levar no trabalho

Tem receita de gnocchi, risoto, crepioca e muito mais!

Inverno saudável: receitas incríveis para quem ama massa e está de dieta

5 exercícios com bola que vão deixar sua barriga chapada (e que você pode fazer em casa)

Primeiro studio só de corrida chega a São Paulo

A academia conta com esteiras Star Trac

Terceira idade: 7 exercícios físicos indicados para os idosos

Cardiologista do HCor aponta os benefícios da atividade física para os idosos